Santo

<<  29/02/2020(SÁBADO)  >>
Seus pais vieram da Dinamarca para a Inglaterra antes de seu nascimento. Oswaldo foi educado pelo seu tio, Santo Odo de Canterbury. Foi padre da Diocese de Winchester, Inglaterra, mais tarde monge beneditino em Fleury-sur-Loire, França. Consagrado Bispo de Worchester, Inglaterra em 962. Trabalhou com São Dustan para reviver a disciplina monástica e eclesiástica na Igreja Inglesa. Fundou uma Abadia em Ramsey e um Monastério em Winchester. Foi consagrado Arcebispo de York em 972. Escreveu vários tratados teológicos e trabalhou para melhorar e aperfeiçoar o treinamento teológico de seu clero. Muito humilde apesar de sua posição, fazia questão de lavar, diariamente, os pés de 12 pessoas pobres. Certa vez, durante a páscoa ele estava jantando com um bispo e vários pobres chegaram pedindo esmolas. Ele deu toda sua comida para os pobres, todas as moedas que carregava e ainda mandou quebrar a bandeja de prata e distribuir os pedaços. O bispo ficou tão impressionado com a generosidade de Oswald que pegou sua mão direita e exclamou, “Esta mão jamais perecerá”! Anos após sua morte durante o traslado de suas relíquias, sua mão direita estava conservada e está hoje em um santuário na igreja de Bamburg. Tinha fama de curar algumas doenças apenas com a sua benção e oração. Faleceu em 29 de fevereiro de 992 de causas naturais. Seu túmulo logo se tornou local de peregrinação e vários milagres foram creditados a sua intercessão. Sua festa é celebrada no dia 29 de fevereiro.
No 18º ano de seu reinado o Rei Sarraceno Shapur II começou uma violenta perseguição aos cristãos na Pérsia. Ele colocou na prisão dois monges irmãos da cidade de Beth-Asa e decidiu visitá-lo se confortá-los nas ultimas horas de seus terríveis tormentos e morte. Os dois monges foram levados a julgamento e o juiz disse a eles que eles deviam venerar o Rei da Pérsia e também o sol, a lua, o fogo e a água. Eles responderam que somente um tolo veneraria um mortal em vez de um imortal Rei dos Céus. Barachisius foi colocado em um calabouço muito pequeno. E Jonas ficou preso. Quando ele continuou recusando a oferecer sacrifícios aos deuses,as torturas começaram. Ele apanhou com bastões e enfiaram um bastão pontudo em seu umbigo e ele ainda cantava hinos de louvor a Jesus. Foi colocado em um lago gelado e deixado para morrer. Algum tempo depois Shapur mandou trazer Barachisius e disse a ele como seu irmão havia sido morto. O mártir disse que isto era impossível e que Jonas estava vivo, e falou tanto sobre o poder da Santíssima Trindade que todos ficaram perplexos. Barachisius foi torturado com ferros em fogo e martelos foram colocados debaixo de seus braços foi dito: se você deixar qualquer um deles cair, você estará renegando a Cristo. Bateram muito nele, mas os seus braços, milagrosamente, não deixaram os martelos caírem. Eles inventaram novas torturas: Chumbo derretido foi derramado em suas narinas e olhos e foi jogado em uma cela pendurado por um dos pés. Na manhã seguinte eles encontraram, (como havia previsto Barachisius), Jonas ainda vivo e tentaram minar a sua fé dizendo que seu irmão tinha renegado a Cristo. O mártir interrompendo disse: “Eu sei que há muito tempo ele renegou o demônio. Se vocês são inteligentes sabem que é melhor semear o milho que guardá-lo para perder. Minha vida é como uma semente e reviverá novamente após a morte, por Jesus Cristo”. Em seguida os dois santos forma barbaramente torturados, cortaram suas línguas, dedos, retiraram seus escalpos e queimaram com óleo fervendo e o corpo de Jonas foi colocado em uma prensa de uvas e prensado até a morte. Mesmo após sua morte eles continuaram. Serraram seu corpo em vários pedaços e jogaram dentro de uma cisterna seca e colocaram guardas para evitar que outros cristãos levassem suas relíquias. Barachisius foi tratado com igual brutalidade. Centenas de farpas foram colocadas em sua pele e ele foi rolado no chão de modo que todas penetrassem em sua carne. Lá pelas tantas o juiz perguntou se ele ainda estava vivo. Barachisius respondeu “Deus, o criador deste corpo, o restaurará e será seu juiz e seu rei”. Em seguida eles o mataram derramando uma espécie de piche quente (usado para selar as madeiras dos navios da época) em sua garganta. Algum tempo após morte deles, Abtusciatus, um velho amigo, comprou seus corpos por 500 drachmas e três vestidos de seda. Ele os enterrou em um local que somente alguns cristãos conheciam e veneravam suas relíquias. Os atos de seu martírio são autênticos e foram escritos em originalmente escritos em Chaldaic. Sua festa é celebrada no dia 29 de março. Nos anos bisextos a festa de São Barachisius é comemorada no dia 29 de fevereiro.