Início » Carisma Franciscano » São Francisco de Assis

São Francisco de Assis

São Francisco de Assis

São Francisco de Assis

Francisco Bernardone nasceu em Assis, Itália, no ano de 1182. Seus pais foram Pietro Bernardone e Madonna Pica. Sendo jovem participou da guerra entre as regiões da Perusia e Assis, em 1202, e na batalha de Collestrada foi tomado prisioneiro e libertado ao ano seguinte. Em 1205 se alistou novamente no exército e partiu para a guerra, mas no trajeto teve um sonho no qual uma voz lhe ordenou voltar e dar outro rumo a sua vida. Então começou sua conversão: afastou-se dos amigos, frequentou a companhia dos pobres e intensificou a vida de solidão e oração.

Em 1206, à idade de 24 anos, renunciou às riquezas e a sua família, e se transladou à localidade do Gubbio para servir aos leprosos. De volta em Assis, vestiu o hábito de ermitão e trabalhou na restauração das ermidas de São Damião na cidade de Assis, São Pedro e Santa Maria dos Anjos (também chamada a Porciúncula).

Em 1208, enquanto ouvia missa na Porciúncula, escutou o evangelho do envio dos discípulos em missão e descobriu sua vocação evangélica e apostólica. Começou a pregar a paz, a igualdade entre os homens, o afastamento da riqueza, a dignidade da pobreza, o amor a todas as criaturas e a vinda do Reino de Deus. Então uniram-se a ele os três primeiros companheiros: Bernardo de Quintavalle, Pedro Cattani e Gil de Assi, nascendo a I Ordem Franciscana.

Em 1209 escreveu a primeira Regra da Ordem, que ditava o estilo de vida para os franciscanos. Seus preceitos eram uma vida apoiada no amor, a oração e a paz; votos de pobreza completa, o que incluía renunciar às propriedades; sustento do próprio trabalho ou, em caso necessário, da esmola; e oferecer exemplo de renúncia de si mesmo. Viajou a Roma com seus onze companheiros para reunir-se com o Papa Inocêncio III e conseguiu a aprovação verbal da Regra. A pequena fraternidade escolheu a Porciúncula como o primeiro lar da Ordem. Em março de 1212, na noite do Domingo do Ramos, foi consagrada Clara, dando início a II Ordem Franciscana, também chamada Clarissas ou Damas Pobres. Nesse mesmo ano, Francisco embarcou rumo a Síria para continuar sua obra apostólica no Oriente, mas os ventos contrários fizeram fracassar sua viagem e retornou. Os anos seguintes viajou pela Itália, França e Espanha. Em 14 de maio de 1217, durante o Pentecostes, celebrou-se na Porciúncula o primeiro Capítulo Geral, junta para organizar a seus seguidores em províncias e assinalar lugares específicos de missão. A Ordem se dividiu em doze províncias.

Em 1219 conseguiu viajar ao Oriente, onde foi recebido pelo sultão do Egito, mas teve que retornar apressadamente a Itália devido a problemas surgidos entre seus seguidores. Em 1220 se retirou do governo da Ordem e nomeou como seu Vigário Pedro Catão. Em 1221 fundou a III Ordem, conhecida como Terciários, a que podiam pertencer quem estivesse ligado a ocupações civis, estivessem casados ou simplesmente não pudessem seguir a I Ordem por razões de vocação ou enfermidade. Esse mesmo ano, a organização eclesiástica solicitou que a Regra escrita há onze anos (chamada primeira Regra) fosse novamente redigida, mais breve. A Regra definitiva foi aceita pelo Capítulo de Pentecostes (junta de religiosos) e aprovada e confirmada mediante bula (documento eclesiástico) pelo Papa Honório III. Em 1224, Francisco passou a quaresma de São Miguel no monte La Berna (nos Montes Apeninos, Itália), a fim de fazer penitência. Ali recebeu em seu corpo as Chagas(estigmas ou sinais) da Paixão de Cristo. Nesse tempo também teve uma grave infecção aos olhos que o deixou quase cego, mas que apesar de sua condição continuou pregando. Em 1226, seu estado de saúde seguiu piorando progressivamente e foi transferido para Assis. Ao sentir próxima a morte, pediu que o levassem à Porciúncula.

No sábado, 3 de outubro de 1226, por volta das 19 horas, morreu à idade de 44 anos. No dia seguinte, domingo 4 de outubro, seu corpo foi transladado para a Assis e sepultado na igreja de São Jorge. Em 16 de julho de 1228, o Papa Gregório IX canonizou Francisco de Assis que se tornou Santo.