Santo

Perpétua era de família nobre pagã. Convertida ao cristianismo era esposa e mãe e foi martirizada com sua criada e amiga, também convertida, Santa Felicidade. Foram martirizadas para renunciarem a sua fé e oferecerem sacrifícios aos deuses pagãos. Como recusassem, foram atiradas às bestas mas milagrosamente as feras não as atacaram e o pro-cônsul encarregado do martírio, furioso, ordenou que fossem degoladas, em 7 de março de 203DC, em Cartago, Norte da África. Perppetua, por duas vezes ela recusou o pedido de seu pai para renunciar a sua fé. Quando enviada ao tribunal seu filho foi tomado dela, mas milagrosamente ele não precisou mais do leite materno e o seu peito não ficou inflamado por causa dela não estar mais amamentando e secou normalmente. Ela rezava pelo seu irmão que não tinha sido batizado e isto de certa forma atesta a antiguidade da crença no Purgatório. Perpétua e Felicidade foram açoitadas e foram dilacerados por um leopardo e um urso, mas não foram mortas. As mulheres foram despidas, mas os seus corpos dilacerados ofenderam a multidão no anfiteatro, e elas foram novamente vestidas. Perpétua em seguida foi atirada a uma vaca feroz e depois também Felicidade, mas a vaca não a atacou. O carrasco então veio com a espada para a degola, mas quando se aproximou de Perpétua, sua primeira tentativa falhou, errando seu pescoço e em seguida por várias outras vezes errou. Ela então disse que iria guiá-lo para o seu golpe fatal. Assim a multidão viu que ela não poderia ser morta a não ser que aceitasse, e este milagre converteu centenas de espectadores conforme o historiador contemporâneo Eusébio. Foram sepultadas na Basílica Maior em Cartago. Como os bois bravos não as atacaram elas são consideradas padroeiras do gado bovino.