Liturgia

4ª-FEIRA DA 9ª SEMANA - TEMPO COMUM

Exorto-te a reavivar a chama do dom de Deus
que recebeste pela imposição das minhas mãos.
Início da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo 1, 1-3. 6-12
Paulo, Apóstolo de Jesus Cristo pelo desígnio de Deus referente à promessa de vida que temos em Cristo Jesus,
a Timóteo, meu querido filho: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor!
Dou graças a Deus, - a quem sirvo com a consciência pura, como aprendi dos meus antepassados -, quando me lembro de ti, dia e noite, nas minhas orações.
Por este motivo, exorto-te a reavivar a chama do dom de Deus que recebeste pela imposição das minhas mãos.
Pois Deus não nos deu um espírito de timidez mas de fortaleza, de amor e sobriedade.
Não te envergonhes do testemunho de Nosso Senhor nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus.
Deus nos salvou e nos chamou com uma vocação santa, não devido às nossas obras, mas em virtude do seu desígnio e da sua graça, que nos foi dada em Cristo Jesus desde toda a eternidade.
Esta graça foi revelada agora, pela manifestação de nosso Salvador, Jesus Cristo. Ele não só destruiu a morte, como também fez brilhar a vida e a imortalidade por meio do Evangelho,
do qual fui constituído anunciador, apóstolo e mestre.
Esta é a causa pela qual estou sofrendo, mas não me envergonho, porque sei em quem coloquei a minha fé. E tenho a certeza de que ele é capaz de guardar aquilo que me foi confiado até ao grande dia.
Palavra do Senhor.
Ó Senhor, para vós eu levanto meus olhos.
Eu levanto os meus olhos para vós, / que habitais nos altos céus. Como os olhos dos escravos estão fitos / nas mãos do seu senhor.
R.
Como os olhos das escravas estão fitos / nas mãos de sua senhora, assim os nossos olhos, no Senhor, até de nós ter piedade.
R.
Ele não é Deus de mortos, mas de vivos!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 12, 18-27
Naquele tempo:
Vieram ter com Jesus alguns saduceus, os quais afirmam que não existe ressurreição e lhe propuseram este caso:
'Mestre, Moisés deu-nos esta prescrição: 'Se morrer o irmão de alguém, e deixar a esposa sem filhos, o irmão desse homem deve casar-se com a viúva, a fim de garantir a descendência de seu irmão. '
Ora, havia sete irmãos: o mais velho casou-se, e morreu sem deixar descendência.
O segundo casou-se com a viúva, e morreu sem deixar descendência. E a mesma coisa aconteceu com o terceiro.
E nenhum dos sete deixou descendência. Por último, morreu também a mulher.
Na ressurreição, quando eles ressuscitarem, de quem será ela mulher? Por que os sete se casaram com ela!'
Jesus respondeu: 'Acaso, vós não estais enganados, por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus?
Com efeito, quando os mortos ressuscitarem, os homens e as mulheres não se casarão, pois serão como os anjos do céu.
Quanto ao fato da ressurreição dos mortos, não lestes, no livro de Moisés, na passagem da sarça ardente, como Deus lhe falou: 'Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó'?
Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos! Vós estais muito enganados. '
Palavra da Salvação.

SÃO CARLOS LWANGA, E SEUS COMPANHEIROS, MÁRTIRES - SANTORAL

Estamos prontos a morrer,
antes que violar as leis de nossos pais.
Leitura do Segundo Livro dos Macabeus 7, 1-2. 9-14
Naqueles dias:
Aconteceu que foram presos sete irmãos, com sua móe, aos quais o rei, por meio de golpes de chicote e de nervos de boi, quis obrigar a comer carne de porco, que lhes era proibida.
Um deles, tomando a palavra em nome de todos, falou assim: 'Que pretendes? E que procuras saber de nós? Estamos prontos a morrer, antes que violar as leis de nossos pais'.
O segundo, prestes a dar o último suspiro, disse: 'Tu, ó malvado, nos tiras desta vida presente. Mas o Rei do universo nos ressuscitará para uma vida eterna, a nós que morremos por suas leis'.
Depois deste, começaram a torturar o terceiro. Apresentou a língua logo que o intimidaram e estendeu corajosamente as mãos.
E disse, cheio de confiança: 'Do Céu recebi estes membros; por causa de suas leis os desprezo, pois do Céu espero recebê-los de novo'.
O próprio rei e os que o acompanhavam ficaram impressionados com a coragem desse adolescente, que considerava os sofrimentos como se nada fossem.
Morto também este, submeteram o quarto irmão aos mesmos suplícios, desfigurando-o.
Estando quase a expirar, ele disse: 'Prefiro ser morto pelos homens tendo em vista a esperança dada por Deus, que um dia nos ressuscitará. Para ti, porém, ó rei, não haverá ressurreição para a vida!'
Palavra do Senhor.
Nossa alma como um pássaro escapou do laço que lhe armara o caçador.
Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, / quando os homens investiram contra nós, com certeza nos teriam devorado / no furor de sua ira contra nós.
R.
Então as águas nos teriam submergido, / a correnteza nos teria arrastado, e então, por sobre nós teriam passado / essas águas sempre mais impetuosas.
R.
O laço arrebentou-se de repente, / e assim nós conseguimos libertar-nos. O nosso auxílio está no nome do Senhor, / do Senhor que fez o céu e fez a terra!
R.
Bem-aventurados os pobres em espírito.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 5, 1-12a
Naquele tempo:
Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se,
e Jesus começou a ensiná-los:
'Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus.
Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados.
Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.
Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.
Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim.
Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus.
Palavra da Salvação.