Liturgia


3ª-FEIRA DA 4ª SEMANA - TEMPO COMUM

Empenhemo-nos com perseverança
no combate que nos é proposto.
Leitura da Carta aos Hebreus 12, 1-4
Irmãos:
Rodeados como estamos por tamanha multidão de testemunhas, deixemos de lado o que nos pesa e o pecado que nos envolve. Empenhemo-nos com perseverança no combate que nos é proposto,
com os olhos fixos em Jesus, que em nós começa e completa a obra da fé. Em vista da alegria que lhe foi proposta, suportou a cruz, não se importando com a infâmia, e assentou-se à direita do trono de Deus.
Pensai pois naquele que enfrentou uma tal oposição por parte dos pecadores, para que não vos deixeis abater pelo desânimo.
Vós ainda não resististes até ao sangue na vossa luta contra o pecado.
Palavra do Senhor.
Todos aqueles que vos buscam, não de louvar-vos, ó Senhor.
Sois meu louvor em meio à grande assembléia; / cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!Vossos pobres vão comer e saciar-se, / e os que procuram o Senhor o louvarão; / 'Seus corações tenham a vida para sempre!'
R.
Lembrem-se disso os confins de toda a terra, / para que voltem ao Senhor e se convertam, / e se prostrem, adorando, diante dele / todos os povos e as famílias das nações. Somente a ele adorarão os poderosos, / e os que voltam para o pó o louvarão.
R.
Para ele há de viver a minha alma, toda a minha descendência há de servi-lo; / às futuras gerações anunciará o poder e a justiça do Senhor; / ao povo novo que há de vir, ela dirá: / 'Eis a obra que o Senhor realizou!'
R.
Menina, levanta-te!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 5, 21-43
Naquele tempo:
Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia.
Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés,
e pediu com insistência: 'Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!'
Jesus então o acompanhou. Uma numerosa multidão o seguia e o comprimia.
Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com uma hemorragia;
tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía, e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais.
Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa.
Ela pensava: 'Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada'.
A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença.
Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: 'Quem tocou na minha roupa?'
Os discípulos disseram: 'Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: 'Quem me tocou'?'
Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo.
A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caíu aos pés de Jesus, e contou-lhe toda a verdade.
Ele lhe disse: 'Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença'.
Ele estava ainda falando, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, e disseram a Jairo: 'Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?'
Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: 'Não tenhas medo. Basta ter fé!'
E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João.
Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando.
Então, ele entrou e disse: 'Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo'.
Começaram então a caçoar dele. Mas, ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança.
Jesus pegou na mão da menina e disse: 'Talitá cum'- que quer dizer: 'Menina, levanta-te!'
Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados.
Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina.
Palavra da Salvação.

APRESENTAÇÃO DO SENHOR - SANTORAL

O Senhor a quem buscais, virá ao seu Templo.
Leitura da Profecia de Malaquias 3, 1-4
Assim diz o Senhor:
Eis que envio meu anjo, e ele há de preparar o caminho para mim; logo chegará ao seu templo o Dominador, que tentais encontrar, e o anjo da aliança, que desejais. Ei-lo que vem, diz o Senhor dos exércitos;
e quem poderá fazer-lhe frente, no dia de sua chegada? E quem poderá resistir-lhe, quando ele aparecer? Ele é como o fogo da forja e como a barrela dos lavadeiros;
e estará a postos, como para fazer derreter e purificar a prata: assim ele purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata, e eles poderão assim fazer oferendas justas ao Senhor.
Será então aceitável ao Senhor a oblação de Judá e de Jerusalém, como nos primeiros tempos e nos anos antigos.
Palavra do Senhor.
O Rei da glória é o Senhor onipotente!
'Ó portas, levantai vossos frontões! / Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, / a fim de que o Rei da glória possa entrar!'
R.
Dizei-nos: 'Quem é este Rei da glória?' / 'É o Senhor, o valoroso, o onipotente, / o Senhor, o poderoso nas batalhas!'
R.
'Ó portas, levantai vossos frontões! / Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, / a fim de que o Rei da glória possa entrar!'
R.
Dizei-nos: 'Quem é este Rei da glória?' / 'O Rei da glória é o Senhor onipotente, / o Rei da glória é o Senhor Deus do universo
R.
Jesus devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos.
Leitura da Carta aos Hebreus 2, 14-18
Visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo,
e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão.
Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão.
Por isso devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e digno de confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo.
Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.
Palavra do Senhor.

Meus olhos viram a tua salvação.
Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações.
Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém.
Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galiléia, para Nazaré, sua cidade.
O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.
Palavra da Salvação.
Meus olhos viram a tua salvação.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 2, 22-40
Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor.
Conforme está escrito na Lei do Senhor: 'Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor. '
Foram também oferecer o sacrifício - um par de rolas ou dois pombinhos - como está ordenado na Lei do Senhor.
Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele
e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.
Movido pelo Espírito, Simeão veio ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava,
Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus:
'Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz;
porque meus olhos viram a tua salvação,
que preparaste diante de todos os povos:
luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel. '
O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele.
Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: 'Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição.
Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma. '
Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido.